Cyrela na mídia

26/5/2019

Novos estúdios modernizam o perfil de Moema, na zona sul de SP

Fonte: Folha de São Paulo

Compartilhe Facebook Twitter

Conhecido pelos imóveis para famílias grandes, o bairro começa a ganhar um novo perfil de empreendimento. São prédios de estúdios de alto padrão, alguns de uso misto, com residências e escritórios na mesma torre.

O principal diferencial é a lista de espaços e serviços compartilhados oferecidos aos moradores.

Lançado em outubro pela Cyrela, o Ibirapuera by Yoo exemplifica essa tendência.

O projeto, com duas torres, tem assinatura dos designers Phillippe Starck e John Hitchcox, do londrino Yoo Studio. Uma delas, a Thera Ibirapuera by Yoo Apartments, une os imóveis de dois e três quartos típicos da região a estúdios de 27 a 35 m². A outra torre fica reservada às plantas maiores, com até quatro suítes.

As áreas comuns incluem lounge externo, academia de ginástica e lavanderia de uso compartilhado. Na cobertura, onde uma estrutura de vidro se projeta diante da fachada, ficam o café e a piscina com borda infinita.

As 112 unidades, com preços a partir de R$ 400 mil, foram arrematadas em um mês, de acordo com a Cyrela.

Outra aposta da construtora, o Vitrali Moema tem 268 estúdios de 24 a 39 metros quadrados, com coworking, praça privativa, piscina e espaço fitness.

Os moradores terão direito a serviços de concierge e arrumação básica dos apartamentos inclusos na taxa de condomínio, ainda não definida. A previsão de entrega é 2021.

Segundo Piero Sevilla, diretor de incorporação da Cyrela, a procura surpreendeu. "Vendemos 300 estúdios do Vitrali em um único fim de semana."

Na opinião do executivo, a inauguração das estações Eucaliptos e Moema da linha 5 lilás do metrô, em março e abril de 2018, respectivamente, foi fundamental para atrair esse perfil de morador mais jovem. É aquele que prefere estar perto dos eixos de transporte público e não faz tanta questão da vaga na garagem.

"Eles estão morando de um jeito diferente. Procuram imóveis em lugares nobres, mas que caibam no bolso de quem está começando a vida profissional", afirma Sevilla.

Esse mesmo público está na mira da incorporadora Eztec, que lançou o Z.Cotovia há um ano. Uma única torre com duas entradas independentes reúne estúdios de 23 a 51 metros quadrados e escritórios desenhados para abrigar empresas de advocacia e agências de publicidade.

Da lista de espaços compartilhados, fazem parte piscina coberta, academia, lavanderia, lounge e coworking, além de serviços de concierge.

Para Tellio Totaro, gerente de gestão de empreendimentos da Eztec, boa parte da clientela é composta de solteiros e jovens casais sem filhos, que originalmente optariam pelo aluguel.

"São pessoas que escolhem ficar perto do metrô para economizar com as despesas de um carro e reduzir tempo nos deslocamentos, ou que valorizam o fato de viver e trabalhar no mesmo lugar."

As ruas planas, a concentração de restaurantes, bares, escolas e serviços, além da proximidade do Parque do Ibirapuera, avaliam os incorporadores, funcionam como um atrativo extra para a clientela.

Moema também registra um dos mais altos índices de desenvolvimento humano do município. O distrito de Vila Mariana, ao qual o bairro pertence, atinge a marca de 0,952, enquanto a nota geral do município fica em 0,805.

O bairro registra problemas, como áreas de alagamento, trânsito pesado e concentração de vendedores ambulantes irregulares ao longo do corredor de ônibus da avenida Ibirapuera, segundo o publicitário José Roosevelt Junior, presidente da Associação de Moradores de Moema (Amam). A segurança, no entanto, é um ponto positivo.

"A polícia tem sido atuante e os prédios de alto padrão, com segurança própria e câmeras, contribuem para manter o bairro seguro", opina Roosevelt Junior.

Não por acaso, Totaro, da Eztec, anuncia que Moema continua em seu radar. "Pretendemos lançar mais três empreendimentos em breve."
Compartilhe Facebook Twitter
Voltar